9 de set de 2010

CANTO ESCROTO

Eu vos digo. Corrupção é glamour e vós estais obcecado, papa Inocêncio. Não a toa esteve morto e os arquivos que por vós foi deixado (legado) irá para a sessão CORRUPTOS. Vosso espírito é facilmente devorado pelo fascínio que em vós exerço – ambição por poder e riqueza – ver sete pecados. Se teu Deus é tão poderoso, por que haveria ela (A MULHER) lhe causar tanto medo? A vós que sois repletos de decretos, romas, hierarquias e vaticanos – não sois dignos de favores nem da eternidade.

Não-carne. Não-osso. Eu sou o anti-corpo. Não-julgamento. Ex-Machina. Madame Feliz Culpa, prazer, sua abominação carnal. REUNO ARQUIVOS.

Sermão (TIMBRE ROBÓTICO):
GIVE ME MORE APPLES.

- Mas oh, Madame Felix Culpa, por que falas por parábolas? – Estarás ébria/bêbada? – perguntou (nome de papa) - Ventos da conveniência? – assoprou (nome de papa). Com desdém, ela responde - Porque vendo não vêem e ouvindo nada ouvem nem entendem -, merci Jeshua. Rent a book e a porta se dilatará – alargará (superar o humanamente concebível), para alem dos auto-móveis. Desconstringa-se da matéria compacta. Talvez vós não compreendeis até que a morte o tenha levado.


Domínio dos elementos (ar, fogo, água, terra, éter). Deus seria então alguém, uma pessoa, um ser vivo? A vós respondo, madre, Madame Felix Culpa é vírus, aquela que invade – sem permissão ou perdão. Enorme fogosa diante de teus fogos. Ela esteve lá, século XV, uma entre as mais de cem mil. Quem poderia imaginar. Quem poderia supor. Captasse bem a mensagem do vosso senhor? Ver também: manual do inquisidor e a sensação de ser queimado vivo.

Não vesti tua vestimenta-pecado. Mas nada mais sou do que uma causalidade. Resultado. Emancipada da carne e do sangue, livre enfim do teu Deus, aqui concedo a transmissão do pensamento. Horizonte dilatado, ditosa, propago. Ações-resultado. Respostas. Mesmo sem que me tenha perguntado algo. Eu vos digo: não sois digno de compreensão absoluta, nunca.