30 de ago de 2010

Inter (Venci) On

EU TENHO ALMA



Em resposta aos esclesiásticos, já duvidosos da possibilidade de a mulher compactuar com Palavra, o Poder, o Significado e o Ato - eu vos digo que daqui renasço eternamente, da possibilidade do LEGÍTIMO SAGRADO, que por vós fora roubado.

Sou o ANIMUS POSSUIDUS
Eu tenho falo
Eu falo -
Este é meu corpo
CARNE E OSSO
Aqui manifestado todo o horror do que por vós fora chamado de "linguagem irracional".

Na história dos homens fui descrita como A Horripilante, A Megera... Aquela que sempre esteve incubida de manifestar o que há de mais horripilante entre "ustedes". Fui (sou) rara - não dá tua ossada - , até mesmo porque posso habitar, mesmo depois de morta e queimada viva - não somente matéria onírica.

Por que temes, Onório?
Por que me cospes, Costantino?
Por que me DESCONHECE, Amaro?

Ainda que me esfoles viva, insisto EU VIVO
Sou a cultura subterrânea
Que espera ser descoberta.